[ editar artigo]

Professores engajados: o melhor presente para os alunos e para a inclusão!

Professores engajados: o melhor presente para os alunos e para a inclusão!

Vira e mexe eu escrevo aqui sobre escola e inclusão porque, atualmente, esse é o meu maior desafio com meu filho. Já vivenciei algumas situações bem ruins, tristes e totalmente preconceituosas. Mas, em meio a tantas experiências desanimadoras encontrei duas escolas que acolheram o meu filho e foram extremamente importantes para os desenvolvimento dele. O que as duas têm em comum? Super estrutura, preço alto? Não! Professores e profissionais realmente interessados em incluir, atender.

Acredito que nenhuma instituição, seja de educação, saúde ou outro, será perfeita. Mas, dentro das minhas expectativas e das possibilidades do meu bolso ($) as escolas que acolheram meu filho foram muito boas. Afinal, para mim, a escola não é só um lugar que ensina a ler, escrever e fazer contas! Vi e vejo meu filho sendo ajudado e ao mesmo tempo estimulado a melhorar suas habilidades e enfrentar dificuldades sociais/de interação e motoras.

Essa foto foi feita no último final de semana durante a Mostra Cultura da escola. A sala dele aprendeu sobre o Egito esses trimestre e vê-lo explicando sobre a cultura e hábitos desse icônico país me deixou mais do que orgulhosa! Até ano passado, se expor dessa forma seria algo muito, muito, difícil para ele. Era uma tortura estampada na carinha dele.

Muitas vezes ele chorou em apresentações ou ficou paralisado com um olhar de "socorro, me tira daqui!". Mas, o trabalho diário de estimular sua expressão, acolher suas limitações e ajudar a entender que TODOS somos diferentes, finalmente está mostrando grandes resultados.

Nada disso seria possível sem professores e profissionais engajados, que queiram fazer a diferença na vida de seus alunos com (ou sem) deficiência, que os vejam como pessoas de potencial a ser explorado e com muito a ensinar também! 

Vocês viram a história do professor de matemática Edson Luiz Planteiro que usa a robótica para incluir e trabalhar com alunos que deficiência, transtornos do desenvolvimento ou superdotação matriculados no ensino regular da rede pública municipal paulistana? Vale a pena a leitura!

 

 

 

Mundo Adaptado
Beatriz Yuki
Beatriz Yuki Seguir

Jornalista, mãe do Pedro - um menino adorável que nasceu prematuro com 25 semanas de gestação.

Ler matéria completa
Indicados para você