As dificuldades de se importar equipamentos para pessoas com deficiência.
[ editar artigo]

As dificuldades de se importar equipamentos para pessoas com deficiência.

http://www.ottobock.com.br/cadeiras-de-rodas/carrinhos-terap%C3%AAuticos/http://www.ottobock.com.brhttp://www.ottobock.com.br/cadeiras-de-rodas/carrinhos-terap%C3%AAuticos/http://www.ottobock.com.br

Através da Carla Delponte e do Leozinho, fiquei mais próxima da realidade de quem tem deficiência ou quem cuida de alguém que tem deficiência, precisa de apoio e suporte. A dedicação dessa mãe, se empenhando em buscar um melhor equipamento para ajudar a locomoção do seu filho, me mostrou como são falhas e o que falta na legislação do nosso país para facilitar a vida dessas pessoas. 

Esses equipamentos são caros e acabam restritos a poucos que podem pagar por eles ou quando conseguem alguma doação seja de ongs ou da assistência do governo. Um exemplo é um carrinho da Otobock (foto) que no Brasil custa R$ 18.000,00

Precisando importar um equipamento a Carla veio conversar comigo e foi assim que tomei contato com essa parte da importação, já trabalhando nessa área há mais de 15 anos mas sem nunca ter importado algum equipamento para cadeirantes e pessoas com problemas de mobilidade. 

Pesquisando verifiquei que muitas marcas do exterior não exportam para o Brasil pois tem aqui representantes exclusivos, que fazem a importação desses materiais e revendem no Brasil, muito mais caro do que é vendido lá fora. Até porque nem todo equipamento entra com isenção de impostos. Sendo que, a solução encontrada para muitos pais e pessoas que necessitam desses equipamentos é ir buscar pessoalmente, importando (na bagagem)  em alguma viagem ao exterior. A solução não é a corrreta e está muito longe de ser a ideal. Além disso tem todo o estresse de passar pela alfandêga e correr o risco de pararem  e digam que não pode trazer tal material ou ter que pagar impostos absurdos.

Depois desse primeiro contato com a realidade das pessoas com deficiência passei a pesquisar e prestar atenção sempre que o governo aprova alguma legislação que isenta impostos de importação para esses casos.  E hoje, pesquisando vi uma notícia boa, um caso julgado pelo TRF-3 que libera a importação de prótese ortopédica sem registro na Anvisa. 

A prótese foi doada do exterior (Canadá) para um deficiente físico brasileiro que havia perdido a perna esquerda em decorrência de acidente automobilístico. Segundo a relatora, desembargadora federal Consuelo Yoshida, apesar de exigir a anuência do registro na ANVISA, o produto é de uso estritamente pessoal, não se justificando a retenção na alfândega, quando a mercadoria se destina a tratamento de saúde. 

A União apelou e requereu a reforma da sentença porém a 6ª Turma não acatou os argumentos e entendeu que a legislação garante ao autor os direitos fundamentais à saúde e à liberdade de locomoção. 

Considero uma vitória para todos que precisam de equipamentos importados, muitas vezes que não tem similar nacional ou o mesmo é muito caro. Espero e acho que todos devemos lutar para que mais isenções se façam na legislação para produtos importados que se destinem à pessoas com deficiência. 

Fonte: Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-3.  Apelação Cível 0015936-69.2006.4.03.6100/SP

Carrinho da foto: Kimba Neo da Ottobock  www.ottobock.com.br 

 
 

 

Mundo Adaptado
Eliane Delponte Seguir

Sou Prima da Carla Delponte e do Leozinho, um menino lindo, iluminado e que veio para nos ensinar o que é o amor verdadeiro!

Continue lendo
Indicados para você