[ editar artigo]

As brigas desnecessárias por níveis de suporte, classificação e enquadramento de autistas, além das amarras.

As brigas desnecessárias por níveis de suporte, classificação e enquadramento de autistas, além das amarras.

As brigas desnecessárias por níveis de suporte, classificação e enquadramento de autistas, além das amarras dos rótulos que carregamos pelo meio social.

 

No meio autístico, as características de níveis de suporte que muitas vezes não são respeitadas, simplesmente por pensarem que, ter um autismo leve é inferior ao autismo moderado ou severo além da falta de empatia pelas pessoas que tendem a presenciar dificuldades maiores por características únicas e particulares com o nível moderado e severo. Dentro desse conceito o nível de suporte deveria ser apenas uma colocação para o entendimento básico que cada autista poderia apresentar sem um balizador para classificação das dificuldades que se estendem no espectro, sua dor nunca deve ser considerada inferior aos demais muito menos melhor ou desigual.

 

Cada autista terá seu meio único no espectro a simplicidade do termo já demonstra essas características que devemos respeitar perante a equidade verdadeira que tanto buscamos, a falta de empatia e amor quando presenciamos os desafios de mamães, papais e autistas que estão em um nível superior de suporte entre características do espectro severo e moderado deveriam apenas nos mostrar que essas divergências nos fizessem entender que juntos poderíamos apoiar com carinho e amor verdadeiro. Falta de amor e união se transforma em um grande obstáculo nessas particularidades, uma reflexão breve faria todo meio em que vivemos ter uma coerência maior e melhor sobre as demais pessoas que nos rodeiam.

 

Vejo autistas preocupados com novos autistas que receberam o diagnóstico tardio ou que tem dúvidas se estariam ou não no espectro, esse método afoito de se achar único mostra tamanha incapacidade de coerência e reflexão sobre sua real importância para com a humanidade, mesmo existindo diferenças entre o meio neurotípico e neurodiverso devemos entender que somos únicos e iguais perante a toda sociedade e nossa equidade serve para um respeito mútuo presente na própria diversidade que nos encontramos, mesmo que por um instante, pessoas que estejam com dúvidas devem receber todo apoio e amparo por nossa sociedade.

 

O tempo gasto com as preocupações e rótulos apenas atrapalham o desenvolvimento natural que o autismo pede, esses fatores são barrados por indivíduos que se encontram em desespero emocional dentro dessas diversidades, querendo se sobressair ou colocar as suas particularidades como absolutas e únicas, assim como a brigas por tipos, níveis e necessidade de suporte do autismo é algo totalmente desnecessário, infundado e não lógica feita por mamães, papais e cuidadores de autistas.

 

Não existe balizador uniforme para o enquadramento do Autismo, deixo aqui alguns exemplos para melhor entendimento;

 

Autistas podem apresentar hipersensibilidade ou hipossensibilidade sensoriais, sendo assim podem ter ou não reações a sons, texturas, objetos e relacionados.

 

Autistas podem apresentar um nível menor de empatia ou não, sendo carinhoso, restrito, emotivo, sensitivo ou alegre.

 

Autistas podem se comunicar bem ou terem dificuldades adaptativas na comunicação, vale lembrar que a comunicação incorpora, sintetização, direcionamento, enfase e diversos outros pontuais que podem ser afetados no espectro.

 

Agitação, Taquipsiquismo, Brasdpisquismo, Taquilalia, Ecolalia, D.I, Ecopatia, Etc… Viu que não muitas aberturas?

 

Autistas podem apresentar gostos típicos comuns, como desenhos, filmes, moda, fotos ou simplesmente não se interessar por tais características, o que representa o autismo não se limita apenas a alguns fatores além de inúmeros pontuais.

 

Dentro dessas aberturas existem hiperfocos variados, que podem restringir ou expandir seu conceito para tais assuntos, atividades, gostos e interesses.

 

Podemos utilizar o próprio autismo feminino para demonstrar a gigantesca variação possível no espectro, como modulação d humor, fatores de camuflagem e adaptabilidade, que também são presentes em alguns autistas homens se apresentando em diferentes formas, utilizando-se de várias ferramentas se apoio para o diagnóstico, não devemos balizar um autista por suas escolhas e interesses isso é algo totalmente ultrapassado visto que o autismo caminha em paralelo à evolução humana, sendo fatores que correspondem aos direcionamentos e modulações já temos mais de 1500 genes em estudos direcionados.

 

A união verdadeira se fará presente quando pararmos para observar tais singularidades, e aproveitar o tempo conscientizando todo modo de diversidade, além do autismo, além dos interesses próprios, para como todo ser humano, pois como já tido por um autista Pedro Melim “Somos todos Humanos” Não queremos ser melhores ou desiguais aos demais.

 

Autista Savant Jacson Marçal - Neurocientista - @jacsonfier no Instagram.

 

Referencias:

 

https://www.scientificamerican.com/article/people-with-autism-can-read-emotions-feel-empathy1/#:~:text=We%20found%20that%20individuals%20with,of%20empathy%2C%20but%20alexithymia%20is.

 

https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/1362361319878559

 

https://profectum.org/causes-sensory-processing-disorder-can-dir-help-treat-children-spd/?gclid=CjwKCAiArIH_BRB2EiwALfbH1EzFHJtgV7ew-hTa31pMyvJHamr0xGKC2H6xztCMsISYY_U5lDAwuxoCpNsQAvD_BwE


 

Mundo Adaptado
Jacson Marçal
Jacson Marçal Seguir

Autista - Savant., Ativista e Voluntário. Humanas, Neurociência Médica  pela University de Duke 2020, Especialização em Certificado Internacionalmente em Neurofeedback & Biofeedback pela Conselho Nacional de Neurociência 2019, Especialista em ABA

Ler conteúdo completo
Indicados para você