[ editar artigo]

Aluno com autismo cria desenhos digitais e realiza seu sonho homenageando bombeiros

Aluno com autismo cria desenhos digitais e
realiza seu sonho homenageando bombeiros

Um computador e uma proposta pedagógica para trabalhar com figuras geométricas, foi assim que tudo começou em 2018. Uma atividade complementar que promovesse estímulos para criar e recriar desenhos digitais que pudessem  fortalecer  o aprendizado do aluno Jefferson Rodrigues do Espírito Santo Junior, de 14 anos.

Os desenhos encantam e fascinam a ele e a todos que veem. Os desenhos para o " Jeff", assim carinhosamente chamado, são "instrumentos mágicos" que auxiliam a desenvolver sua  fala e a ampliar sua aprendizagem mesmo estando dentro do Transtorno do Espectro Autista, pois sua criatividade ajuda a liberar emoções e sentimentos importantes também para o seu desenvolvimento cognitivo. 

A proposta incentiva o aluno a criar desenhos digitais a partir de suas inspirações, incentivando-o a brincar com as cores e formatos de acordo com o seu conhecimento de mundo. O Jefferson nos relatou que seus desenhos representam gigantes guerreiros. Cada um tem uma cor e o azul representa as nuvens, o amarelo os raios do sol e assim vai longe com sua imaginação. 

 

No dia 2 de abril comemoramos o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e consegui organizar uma exposição para prestigiar esse dia tão importante! Juntei  os desenhos do Jefferson e as fotografias do Vinicius Melo, história que já contei para vocês aqui na Mundo Adaptado, em um evento no Ginásio Municipal durante a partida da final de basquete do time aqui de Mogi das Cruzes (SP).  Além do público do jogo, professores, alunos e familiares foram prestigiar os trabalhos.  

Com a repercussão do evento, Jefferson e sua mãe deram uma entrevista para o jornal e a TV local da cidade de Mogi das Cruzes. Durante a matéria ele fez uma revelação:  ser um bombeiro. A declaração comoveu a corporação de bombeiros da cidade e resultou em um convite para Jefferson conhecer a corporação de perto.

Mas, o impacto dessa história, que começou em sala de aula, não terminou por aí. Ele se propôs a fazer um desenho, que virou um quadro, e batizou-o de "Bombeiro Gigante Guerreiro". 


Atualmente, junto com a família, estamos editando os desenhos de " Jeff"  em formato de postal, para que o aluno possa transformar seu dom criativo em uma arte empreendedora que o ajude a ter uma renda. Até o momento, Jefferson depende exclusivamente da família para manter seus cuidados básicos e tratamentos clínicos. 

"Um menino sonhador!". É assim que Patrícia da Soledade Dias de Sousa, 36, define o filho Jefferson, diagnosticado aos quatro anos de idade com Transtorno do Espectro do Autista (TEA). Hoje, com 14 anos, ele já faz projeções para a vida adulta e diz que quer ter barba, um carro branco e uma tatuagem ao completar 18 anos, além de almejar ser bombeiro para salvar as pessoas e também os animais.

É com muito orgulho e gratidão que eu, professora da rede estadual de São Paulo, apresento mais uma história de vida de um aluno com TEA que é atendido em uma escola pública de Mogi das Cruzes. Espero inspirar e fortalecer outros profissionais que trabalham na rede!

Segundo Alex Bretas, talvez a gente consiga ultrapassar muros e explorar novos jeitos de absorver conceitos e ideias, tudo baseado em processos sem “cobranças formais”, onde o que vai dar gás pros seus estudos é a sua paixão, motivação e interesse pelos assuntos estudados.  

 

 

 

 

Mundo Adaptado
Maria de Lourdes  Moraes Pezzuol
Maria de Lourdes Moraes Pezzuol Seguir

Professora da rede pública do estado de S.P, atua no Atendimento Educacional Especializado (AEE) para alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA), é membro da Ong Grupo Fazer O Bem.

Ler matéria completa
Indicados para você