Mundo Adaptado
Mundo Adaptado
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Um olhar, um panetone, uma reflexão

Um olhar, um panetone, uma reflexão
Sonia Falcão
out. 5 - 3 min de leitura
010

Uma criança com autismo estava comendo seu pedaço de panetone junto com seu grupinho numa escola de ensino regular.A inclusão estava sendo trabalhada naquele local. Num dia de supervisão com a equipe eu estava com meus olhos atentos no horário do lanche. Observava atentamente se meu anjo azul estava confortável no meio de seus amigos, se ele estava conseguindo manter o foco na alimentação apesar dos ruídos do ambiente, iluminação e outros estímulos. Graciosamente e muito de bem com o momento comia seu pedaço de panetone. Minha surpresa se deu quando observei uma outra criança que também saboreava o panetone esmigalhando e cortando em pedacinhos antes de colocar na boca.

Os farelos caíram no chão e fora da toalhinha da mesa. Uma graça, nada de errado para o momento, uma vez que pela idade saboreava também com o tato. A professora que estava acompanhando comentou comigo “Olha que graça como ela come, sempre que oferecemos bolo ou panetone, ela corta em pedacinhos antes de comer e faz essa bagunça”

Deu risada, achando natural e divertido.

Então perguntei à ela: E se fosse o “meu anjo azul” o que você faria?

 Ela me olhou com uma cara de interrogação e disse: “AH Sonia, para! Já percebendo um toque na cura.

E perguntei: Qual seria seu sentimento ao vê-lo esmigalhando o lanche? E ela muito sem graça me falou que não acharia certo e que mostraria a ele como se deve comer um pedaço de panetone.

Gente isso é maravilhoso viver, presenciar e poder falar no momento em que as coisas acontecem. Qual a diferença? Quem é o diferente? Por que algumas crianças podem brincar e experimentar a comida na hora em que está comendo e ganhar um olhar meigo e afirmativo. E por que outros recebem o mesmo olhar mas com reprovação?

 Nossas crianças antes do autismo também são crianças que exploram, curtem e nós como adultos não temos que ensinar sempre.

Às vezes observar e entender o que está acontecendo realmente. Por que as atitudes de apreciação, compreensão e aceitação mudam diante das crianças com necessidades especiais?

Nossas crianças não podem nem soltar um PUM que tem gente olhando, rs

As brincadeiras podem ser só brincadeiras e não comportamento inadequado.

EU FICO ATENTA E VOCÊ?

Sou Sonia Falcão,  Terapeuta Ocupacional.

Especialista en Saúde Mental da Criança e do Adolescente. Especilaista em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo há mais de 30 anos. Uso abordagem responsiva, Interativa e Lúdica fundamentada por metodologias motivacionais com DIR Floortime e Son Rise.

O programa Realizza une conhecimentos da Terapia Ocupacional com a experiência acumulada durante anos de vivência com crianças, jovens e adultos com Deficiência Intelectual e Autismo. 

"Descubra os interesses da criança com autismo e se conecte com ela"



Denunciar publicação
    010

    Indicados para você