[ editar artigo]

Um assunto que devemos sempre observar são as ligações da Amígdala e seu papel fundamental processo neural

Um assunto que devemos sempre observar são as ligações da Amígdala e seu papel fundamental  processo neural

Um assunto que devemos sempre observar são as ligações da Amígdala e seu papel fundamental no processo do Neurodesenvolvimento. 

Como observamos quase todos os genes com ligações moderadas a fortes ao autismo são expressos na amígdala em desenvolvimento, de acordo com um novo estudo efetuado em pessoas autistas, alguns desses genes mostram imensas alterações na amígdala, uma região do cérebro importante para a função social e emocional.

Estudos anteriores mostraram que os genes ligados ao autismo são tipicamente mais ativos durante o desenvolvimento fetal no córtex cerebral, a camada externa do cérebro. Eles também mostraram que pessoas com autismo têm alterações na estrutura e função da amígdala e que a região está implicada nos principais traços de autismo, incluindo dificuldades no processamento de expressões faciais, alterações de humor e transtornos de personalidade.

O novo trabalho, no entanto, é o primeiro a se concentrar exclusivamente em como os genes ligados ao autismo são apresentados na amígdala humana por um longo período.

"A amígdala não foi aprofundada de forma alguma com o nível que alcançamos", diz Joshua Corbin, que liderou o estudo e é o principal investigador do Centro de Pesquisa em Neurociências do Children's National Hospital, em Washington, DC. 

A maioria dos genes ligados ao autismo que a equipe considerou é extremamente ativa nos neurônios excitatórios da amígdala, mostra o estudo. Esses neurônios aumentam a comunicação entre as células do cérebro e se conectam a outras regiões do cérebro envolvidas no autismo, incluindo o córtex pré-frontal. As descobertas nos ajudam a entender melhor como os genes ligados ao autismo contribuem para alterações na amígdala e nas características do autismo. O trabalho foi publicado em maio no Molecular Autism.

"Compreender onde esses genes são expressos no cérebro, em que estágio e que tipo de célula, acho que são questões importantes", diz Deyou Zheng , professor de bioinformática da Faculdade de Medicina Albert Einstein, em Nova York, que não estava envolvido no estudo.

A equipe primeiro compilou uma lista de 323 genes com ligações moderadas a fortes ao autismo, baseando-se em um banco de dados com curadoria e em um estudo de sequenciamento em janeiro de 2020.

Procurando por esses genes no BrainSpan, um repositório on-line de dados de expressão gênica de tecido cerebral humano, os pesquisadores descobriram que 271 são ativos na amígdala nos estágios de desenvolvimento fetal e pós-natal inicial. Uma análise preliminar mostrou que 10 também são expressas em outras regiões do cérebro, incluindo o córtex, hipocampo e cerebelo.

Essa descoberta "está alinhada com o pensamento de que a maioria dos genes do autismo não afeta apenas um tipo de célula ou uma região do cérebro", diz Zheng.

A equipe de Corbin também pesquisou os 271 genes no Allen Developing Mouse Brain Atlas , que contém dados de alta resolução sobre a expressão genética em camundongos. Eles descobriram que 80 deles, incluindo PTEN , ADNP e FOXP1 , são expressos em tecido embrionário que dá origem a partes da amígdala, especialmente o núcleo basolateral, conhecido por regular a reatividade emocional.

Finalmente, os pesquisadores analisaram novamente os dados de um estudo de 2019 de outro grupo para avaliar os níveis de expressão dos genes no tecido da amígdala de cinco autistas e cinco pessoas típicas com idades entre 4 e 20 anos 3 . Células do cérebro de pessoas autistas tinham níveis alterados de 7 dos 271 genes, a maioria dos quais funciona em neurônios excitatórios.

Essa descoberta apóia a teoria de que os traços de autismo surgem de um desequilíbrio de sinalização entre os neurônios, mas está em desacordo com um estudo anterior que mostrou que os genes do autismo tendem a ser super-representados em neurônios inibitórios no cérebro.

Com essa observação podemos notar que Autistas têm fortes prevalência no seu contexto de comunicação neural, fator esse que gera efeito da sinapse o sinal produzido na membrana pós-sináptica gerando despolarização, iniciando o potencial de ação, pela sinapse excitatória, fator esse que reforça o sistema de luta ou fuga presente no Autismo além de incorporar outras observações que geram uma diferença estrutural no desenvolvimento neural.

Autista Savant Jacson Marçal @jacsonfier no Instagram.

Referência;

Herrero M.J. et al. Mol. Autism 11, 39 (2020) PubMed

Chang J. et al. Nat. Neurosci. 18, 191-198 (2015) PubMed

Sorrells S.F. et al. Nat. Commun. 10, 2748 (2019) PubMed

Wang P. et al. Transl. Psychiatry 8, 13 (2018) PubMed


 

Mundo Adaptado ®
Jacson Marçal
Jacson Marçal Seguir

Autista - Savant., Ativista e Voluntário. Humanas, Neurociência Médica  pela University de Duke 2020, Especialização em Certificado Internacionalmente em Neurofeedback & Biofeedback pela Conselho Nacional de Neurociência 2019, Especialista em ABA

Ler conteúdo completo
Indicados para você