[ editar artigo]

Prematuridade, Desenvolvimento e Aprendizagem na Infância

Prematuridade, Desenvolvimento e Aprendizagem na Infância

Prematuridade, Desenvolvimento e Aprendizagem na Infância

Olá, a todos. Preparamos um texto, para profissionais e pais, sobre o desenvolvimento do sistema tátil e sua inter-relação com as ações lúdicas e diárias de bebês e crianças. Espero que gostem.   

O Sistema Tátil e a sensação do toque exercem uma parte fundamental em determinar o comportamento físico, mental e emocional dos seres humanos. Todos nós, desde a infância, precisamos continuamente de estímulos táteis para nos manter organizados com bom funcionamento do organismo. Na verdade, é desde o útero que o toque é percebido e vivenciado entre o bebê e a mãe por meio do líquido, da placenta, do cordão e na relação do próprio corpo. As células que “captam” as informações do ambiente (receptores) já começam a trabalhar desde a sétima semana de gestação, mas o sistema ainda precisa de tempo para “crescer” e amadurecer. A partir do terceiro mês de gestação, braços e pernas já começam os primeiros movimentos espontâneos e com isso, o toque do bebê intraútero é mais constante.

Ao longo dos primeiros anos de vida vamos recebendo e acumulando experiências de estímulos táteis por meio das células receptoras localizadas na pele, da cabeça, aos pés. Sensações de toque, seja ele leve, profundo, de vibração, movimento, temperatura ou dor  são experiências que nos conectam com o mundo, nos vinculando uns aos outros. As informações táteis nos oferecem percepções sobre nosso corpo, nossos limites com o outro, com o mundo e, gradativamente, com o amadurecimento celular e o aumento na complexidade da discriminação, desenvolvemos habilidades como planejamento motor, discriminação visual, linguagem, segurança emocional e interação social.

Algumas crianças podem apresentar comportamentos de hipersensibilidade ou “hiper- resposta” tátil. Esse comportamento tem como principal problema a ineficiência do processamento no Sistema Nervoso Central em perceber as sensações no corpo através da sua pele e influencia a forma como a criança organiza e se relaciona com o mundo. Esta criança, com hipersensibilidade ou, defensividade tátil, pode apresentar uma resposta exacerbada ao toque e sempre com uma interpretação emocionalmente negativa às sensações de toque leve. A resposta de forma negativa ao input tátil não acontece apenas quando ela é tocada, mas também ao antecipar esse toque. 

Dois componentes presentes no sistema tátil são fundamentais: o primeiro é o de proteção, cujo objetivo é nos alertar e proteger de algum estímulo com potencial de nos machucar. O segundo componente do sistema tátil nos ensina a discriminar que “tipo de sensação” estamos sentindo.  Quando percebemos a sensação do corpo quente da nossa mãe, da barba do papai, grama e gravetos nos nossos pés, a forma redonda e peculiar de uma laranja, estamos construindo consciência, intuição e conhecimento sobre o mundo que nos cerca. Aonde sentimos este toque antes? O que significa este toque? Esta sensação? E o que devo fazer a respeito disso? Com a capacidade de reconhecer e interpretar o significado dos toques, nós podemos pouco a pouco, desenvolver a discriminação tátil. 

Sabe-se que os bebês nascidos prematuros podem desenvolver alterações sensoriais especialmente nos primeiros anos de vida, sobretudo as relacionadas ao sistema Tátil. O avanço da tecnologia tem permitido a sobrevida de prematuros sem sequelas clínicas importantes, tais como a paralisia cerebral, a surdez e a cegueira. Entretanto, o nascimento precoce que interfere no desenvolvimento de estruturas e sistemas, implica também nas mudanças de recepção e percepção sensorial. Somado a isso, o ambiente e rotina da UTI Neonatal poderá contribuir de forma negativa à percepção e relação do bebê com o ambiente que o cerca.

A boa notícia é que, em muitos casos, com as experiências do dia a dia nossas crianças vão aos poucos, aceitando as informações táteis e desafios sensoriais impostos no ambiente e nas relações. Isto é, muitas vezes uma criança que não aceitava introdução de novos alimentos com texturas diferentes, ou que não aceitava colocar o pé na areia/ na grama, ficar com roupas ou colocar a mão e o pé na tinta nos primeiros anos de vida, após as experiências diárias e lúdicas mais dirigidas e terapias (caso necessário), ela poderá ser capaz de realizar todas essas atividades com mais autonomia  e conforto. 

Alertamos aos familiares e profissionais da área da saúde a reconhecer comportamentos que podem sugerir alterações do processamento sensorial nos nossos bebês e crianças. Esses sinais podem ser exibidos como reações exageradas nas trocas de roupa, de fralda, choro intenso no banho (sobretudo para lavar a cabeça), não aceitação na introdução de novos alimentos. Além disso, a relação do Brincar pode estar comprometida nas explorações das atividades do universo infantil, com reações aversivas para pintar usando tintas, massinhas, sujar-se no tanque de areia, aceitar bichos de estimação ou até ser intolerante aos toques de pessoas não familiares, evitando o contato físico como um beijo ou abraços, permanecer na roda de conversa na escola ou brincadeiras corporais no parque durante o recreio.

Todas as crianças precisam de informações táteis para aprender sobre o mundo. Nós adultos precisamos perceber que tipo de toque (ou estímulo) a sua criança evita, e qual tipo de sensação ela tem buscado. Em um quadro típico de hiper resposta tátil, observamos que as crianças evitam os toques mais leves (superficiais), principalmente os passivos e inesperados. Por outro lado, enquanto a criança evita este tipo de sensação mais leve, ela aceita e até busca de forma insistente, o toque mais firme, como um abraço apertado dos pais, ficar embaixo de almofadas grandes e pesadas, apertar objetos, pular e ranger os dentes.

As crianças que apresentam defensividade tátil precisam da informação do tato mais do que qualquer outra criança e isso vai acontecer desde a hora que ela acorda de manhã e ao longo de todo o seu dia. Crianças amam e precisam explorar o mundo com o seu corpo pois a aprendizagem acadêmica depende disso e da integração efetiva das informações sensoriais. A terapia de Integração Sensorial de Ayres é um recurso da terapia ocupacional que proporciona avaliação e diagnóstico dirigido, oferecendo um ambiente lúdico, com conforto e desafios na medida certa para as brincadeiras, auxiliando os bebês e crianças a compreender seu corpo por meio de vivências e desenvolvendo habilidades de percepção e consciência.

Com as informações deste texto, você poderá conhecer melhor as crianças que apresentam este perfil sensorial e auxiliá-la a explorar o mundo com mais qualidade e menos sofrimento. A criança que é acompanhada pelo terapeuta ocupacional, na terapia de Integração Sensorial de Ayres, vai conseguir vivenciar atividades que favoreçam a modulação do sistema tátil trabalhando com os outros sistemas sensoriais de forma integrada, com conforto e prazer. Pouco a pouco, nosso objetivo é que ela possa aceitar novidades e aumentar seu repertório de brincadeiras e exploração do corpo e do mundo.

Um grande abraço, Ana e Tetê  

REFERÊNCIAS

KRANOWITZ, C.S. The Out-of-Sync Child: recognizing and coping with sensory processing disorder,2005.

BUNDY,LANE,MURRAY. Sensory Integration. Theory and Practice, 2002

ROLEY, SINGER. Integração Sensorial com bebês, 2015.

Mundo Adaptado
Ler matéria completa
Indicados para você