[ editar artigo]

Aplicando o TOM "Teoria da mente" em PcD, identificando emoções para o devido apoio.

Aplicando o TOM

 

A teoria da mente vem sendo estudado a diversos anos, passando sempre por avaliações que colocam em prática, atividades em conjunto com a terapia, onde o profissional de psicologia poderá efetuar um filtro avaliativo e quantitativo para organização das emoções dentro de fatores sociais para uma criança,  adolescente ou adulto.

A teoria da mente se estende dentro de diversos pilares e pode ser ramificado dentro de atividades para reforços que auxiliem um autista,  esquizofrênico, pessoas com TDAH, sociopatia e diversos outros transtornos de personalidade, leves ou acentuados que em sua alternância dificultem o seu convívio social.

Quando falamos de teoria da mente aplicada ao Autismo muitas pessoas pensam que isso se refere ao fato de que uma pessoa perde seus traços autísticos, sendo totalmente o oposto. Com base nos estudos de Piaget,  o interesse é que a intervenção seja efetuada o mais cedo possível,  possibilitando tais modulações dentro do seu processo de neurodesenvolvimento,  um exemplo comum ocorre quando falamos sobre a empatia onde temos um conceito, que significa reconhecer e compreender os estados de espírito, incluindo crenças, desejos e particularmente emoções de outros sem injetar as suas próprias, muitas vezes caracterizada como a capacidade de "colocar-se no lugar do outro". estudos apontam que as crianças devem desenvolver a 'teoria da mente' por volta dos quatro anos de idade. Porém isso poderá ser modular com o devido apoio terapêutico profissional. 

Quando observamos as ligações da teoria da mente, em especial nos Autistas, por não entenderem o que as outras pessoas pensam de forma diferente de si mesmas, as pessoas no espectro do autismo podem ter dificuldades nas interações sociais com outras pessoas. Podemos não entender e ficamos chateados se alguém não souber responder a uma pergunta. Temos dificuldades em identificar situações em que os outros pessoas queiram expressar determinada emoção ou ação, e uma grande dificuldade em compreender  emoções, muitas vezes ficamos com essa visão única o que gera dificuldades em uma reação.  Porém estudos aplicados com características de reforço mostram a capacidade de copiar ações que melhorem o convívio gradual no meio Autístico. Também devemos observar que existem autistas que podem apresentar uma característica mínima dentro dessas dificuldades, o que pode gerar um maior controle em ações que precisem de uma reação ou antecipação.

A teoria da mente explica também a capacidade que Autistas que não recebem o devido apoio, terapêutico e médico profissional, onde observamos um podem conhecimento em características que os incorporem as pessoas uma possível aplicação da mentira, eliminando o mito de que autistas não mentem ou não podem ser malvados. Observamos novamente a necessidade de troca,  se colocando no lugar do Autistas para estender sua interação e intenção para com meio social. Dentro dessas avaliações podemos observar que Autistas são propensos a apresentarem variações dentro dos transtornos de humor e personalidade onde observamos desde um TOD "Transtorno Opositor Desafiador" até um TPN "Transtorno de personalidade narcisista" todos os extremos precisam de apoio, além da possibilidade de aplicação dos reforços, onde um autistas poderá entender de maneira clara o significado e impacto de suas ações. 

Dentro da teoria da mente temos um importante ponto de abordagem, com o compartilhamento de histórias sociais, esse processo tem ótimos resultados positivos em indivíduos com autismo ao 'ler' e compreender as situações sociais. Histórias sociais são usadas para explicar comportamentos sociais apropriados. Foi desenvolvido por Carol Gray e busca incluir respostas a perguntas que pessoas autistas podem precisar saber para interagir apropriadamente com outras pessoas (por exemplo, respostas para quem, o quê, quando, onde e por que em situações sociais). O uso de histórias sociais podem motivar as crianças a questionar por que outras pessoas veem o mundo de maneiras diferentes. Esse ponto de reflexão leva os autistas a respeitar as individualidades do seu próprio meio além de melhorar a interação social neurotípica.

Vale lembrar que estudos recentes apontam que a teoria da mente poderá gerar uma gigante alternância em avaliações onde não são efetuados testes complementares para uma avaliação profunda da perspectiva de interação visual e motora em Autistas. Diferente do ocorrido em outros transtornos avaliativos. 

Se o profissional que aplica a teoria da mente não aproveitar as pistas e testes avaliativos em conjunto com uma devida Anamnese autistas podem gerar resultados falsos positivos para variação de humor ou entendimento aplicados, sendo assim, muitas pesquisas sugerem que diferentes aspectos da linguagem são importantes para o desenvolvimento da teoria da mente. Isso inclui a comunicação em contextos sociais, como entre mãe e filho ou em interações entre outras pessoas, conhecimento de palavras e conceitos referentes a estados mentais, lógicos e gramaticais, especialmente estruturas  avaliativas usadas para expressar reações emotivas.

Com essa breve abordagem convido vocês a iniciarem uma reflexão sobre a importância e o impacto da psicoterapia dentro de um acompanhamento profissional, abordando características únicas das pessoas, melhorando gradualmente seu convívio social abordando em conjunto com o devido respaldo uma interação pelo TOM "Teoria da Mente" no meio Autístico.

Autista Savant Jacson Marçal @jacsonfier nas Redes sociais. 

Referências:

Baron-Cohen S. et al. Cognition 21 , 37-46 (1985) PubMed

Tager-Flusberg H. Child Dev. 63 , 161-172 (1992) PubMed

Moran J. et al. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 108 , 2688-2692 (2011) PubMed

Senju A. et al. Science 325 , 883-885 (2009) PubMed

Saxe R. e N. Kanwisher Neuroimage 19 , 1835-1842 (2003) PubMed

Kana RK et al. Soc. Neurosci. 4 , 135-152 (2009) PubMed

Astington J. e J. Baird (Eds.) Por que a linguagem é importante para a teoria da mente. Oxford: Oxford University Press (2005)




 

Mundo Adaptado®
Jacson Marçal
Jacson Marçal Seguir

Autista - Savant., Ativista e Voluntário. Humanas, Neurociência Médica  pela University de Duke 2020, Especialização em Certificado Internacionalmente em Neurofeedback & Biofeedback pela Conselho Nacional de Neurociência 2019, Especialista em ABA

Ler conteúdo completo
Indicados para você