[ editar artigo]

A necessidade de acompanhamento médico e terapêutico para mamães, papais, cuidadores e acompanhantes de TEA

A necessidade de acompanhamento médico e terapêutico para mamães, papais, cuidadores e acompanhantes de TEA

O Autismo é relacionado ao individuo que tendem a criar uma tríade de características que são dissipadas em várias outras pequenas ramificações, dificuldade de interação social, fatores associativos a questões sensoriais e comorbidades ou condições coexistentes associativas. Dentro desse processo o Autista apresentará hiperfoco, gostos e interesses repetitivos, associados a rigidez, pensamentos repetitivos e uma gigante necessidade de modulação para seu aprendizado.

Eu desde pequeno apresentei inúmeras características associativas, nessa longa jornada de minha vida notei que minha mãe sempre ficou na linha de frente para a necessidade de entendimento e apoio, muitas vezes ela deixou de lado aquela avaliação pessoal para se concentrar nas suas necessidades. Com o passar dos anos eu notei nela uma (staff) quase que semelhante ao ocorrido em mim, estávamos diante de um possível quadro de fenótipo ampliado do autismo, processo onde os familiares, cuidadores ou acompanhantes apresentam características próximas ao de autistas.

Dentro desse processo após longas horas de conversa convenci minha mãe a fazer acompanhamento psiquiátrico e psicológico, para que pudesse receber o devido apoio. Notei logo de início varias observações efetuadas pelo médico psiquiatra que incluía a necessidade de melhorar seu humor além de uma possível intervenção com medicamentos para uma estabilidade emocional, onde sua idade associada a todas as dificuldades e desafios que ela passou comigo, autista e meu irmão TDAH se fazia necessário um descanso e uma avaliação interna, sobre suas limitações, seus desafios e sua jornada até aqui.

Vejo muitas mamães, papais, cuidadores e acompanhantes passando pelo mesmo relato, procedimentos corretos já abordam toda família dentro do processo de apoio, avaliativo e de acompanhamento, infelizmente no Brasil ainda temos um certo atraso em comparação a outros países quando o quesito é apoio terapêutico e médico familiar. Não devemos desistir e deixar para amanhã quando observamos essas pessoas entre o limite emocional, de uma staff, física e mental.

O cansaço é verdadeiro, são horas de sono perdidas, são alterações constantes de rotinas, mudanças na presença social, atividades de apoio e reforço, dúvidas, questionamentos, falta de apoio social e até mesmo divergências entre o próprio vínculo familiar entre mamães e papais, são mais de 70% de mamães que acabam levando todo peso e dificuldades sozinhas, o nível de separação entre famílias que tenham um filho autista é altíssimo, o número de papais que não apoiam as mamães é gigantesco também, mesmo o número de papais apresentando uma leve melhora nos últimos anos, ainda vemos o maior sofrimento no âmbito das mulheres, mamães, ressaltando que todos os familiares precisam de apoio direcional médico e terapêutico.

Conscientizar o tratamento para todos que estejam envolvidos no espectro é uma realidade necessária para o processo correto de apoio.

 

Mundo Adaptado ®
Jacson Marçal
Jacson Marçal Seguir

Autista - Savant., Ativista e Voluntário. Humanas, Neurociência Médica  pela University de Duke 2020, Especialização em Certificado Internacionalmente em Neurofeedback & Biofeedback pela Conselho Nacional de Neurociência 2019, Especialista em ABA

Ler conteúdo completo
Indicados para você