[ editar artigo]

A dificuldade humana com a crítica de um autista

A dificuldade humana com a crítica de um autista

A crítica humana, sobre o que seria a crítica em poucas palavras? Crítica é uma expressão que significa "a arte de julgar" para muitos tem ligação ampla é filosófica, a crítica tem o significado de análise. Assim, a "filosofia crítica", em específico, designa o pensamento de Kant e seus sucessores. Ela também pode ser atribuída como um processo de retenção de fenômenos advindos do passado, sua decomposição e reconfiguração.

Quando criamos um pensamento reflexivo para a crítica, desenvolvemos ambientes para várias interpretações, com contexto amplo de análise do objeto a ser criticado, vivemos em um mundo com a fascinação de crítica não definida, pessoas com baixa capacidade de interpretação sem fundos primários tem extrema dificuldade em lidar com a crítica dentro dos padrões evolutivos. Podemos difundir alguns padrões da crítica, é estético, se contempla uma obra de arte; lógico, se contempla um raciocínio; intelectual, se contempla um conceito, uma teoria ou um experimento; moral, se contempla uma conduta.

Esse julgamento de mérito é fruto de uma atividade da razão, esse poder de distinguir o verdadeiro do falso, que age como uma espécie de tribunal. Gostaria de convidar todos os pensadores a entrarem em uma análise profunda, sobre uma opinião própria dentro da definição da crítica que me institui diariamente, em específico a um caso ocorrido recentemente. Um dia comum, dentro de um padrão básico da vida diária com ou sem meus problemas que me seguem ao mesmo tempo que me envolvem, decido entrar em uma Rede social, imaginando o caos diário que a rodeia, podemos afirmar que, rede social é uma plataforma cujo objetivo é conectar pessoas e compartilhar informações entre elas, tanto de caráter pessoal quanto profissional ou comercial.

Elas se materializam na forma de sites e aplicativos, reunindo usuários que compactuam dos mesmos valores e interesses. A escolha de uma Rede social, dentro do convívio temos pessoas, escolhas e informações que são disponibilizadas para uma interação, uma interação superficial, bem menos eficiente que a interação física e humana, devemos observar que conforme a evolução social se estabelece os vínculos mesmo que factíveis, se tornam cada vez menos táteis.

As pessoas estão diariamente conectadas nesse mundo, somos obrigados, mesmo que com uma interação reduzida, dentro do direito obvio, criticar, dentro desses fundamentos básicos as pessoas se tornam cada vez menos receptivas as opiniões, fechadas em seu mundo digital sem o contato real, tendo dificuldade de compreensão e discernimento em uma simples conversa.

Retornando a minha entrada nessa rede social, observo, separadamente uma imagem, uma foto, com desfoque baixo, com uma qualidade inferior, dentro de um padrão não aceitável pela afirmação que dentro dos padrões idealizados da foto, aquela foto seria uma afirmação do indivíduo que a mesma seria de boa qualidade, sobre o termo, mesmo que errôneo “Essas coisas nem parece que foi com um (Modelo de Celular)”, dentro desse modo não levei em consideração a crítica invasiva, crítica da escrita, crítica de exposição apenas dados técnicos para uma contestação obvia da interpretação. Quando paramos, analisamos e identificamos dados para se situar em uma crítica, precisamos definir a real intenção, esperando logicamente um retorno equivalente ao que se planeja para tal escolha, partindo do princípio, minha resposta, dentro dessa Rede Social que participo foi extremamente técnica e informativa, uma afirmação com informação “Parece sim, saturação está péssima, qualidade do brilho, a pixelização[1]da foto além da profundidade”.

A espera foi curta, já sabemos que a grande maioria dos brasileiros tem essa dificuldade, o que mais me intriga são as respostas fora do ponto padrão logico para tal crítica, a explanação se faz com tom irônico “Comentário em apoio que eu certamente me lembrarei” podemos observar aqui a fuga do padrão humano dentro da dificuldade de vinculo a crítica, que transforma o mundo sutil em um mundo chato, sem graça, com pouco interesse discursivo mesmo que em uma rede criada para esse aspecto.

As pessoas são significativamente chatas, simplórias e sem interesses relativos para sua percepção tátil dentro do seu convívio social virtual, como tentativa de compreensão, buscando um possível dialogo explicativo finalizo com a resposta “Não foi apoio, só uma opinião técnica, crítica” vemos uma grande dificuldade partindo dos princípios básicos, explanados inicialmente.

O mundo está ficando chato, sem possibilidade de diálogo, visto que as pessoas mistura dentro de um âmbito social a preocupação visível e excedente em não discutir diretamente assuntos relacionados aos assuntos citados, as vezes percebemos que os robôs de inteligência artificial conseguem passar facilmente a percepção humana, algo que não deveria ocorrer visto que as simulações de sentimentos se torna algo ainda não possível dentro dos estudos mais recentes da robótica, os seres humanos deixam se levar pela resposta pronto, sem capacidade analítica e crítica de resposta.

Como de interesse da interação humana, busco um diálogo adicional com a irmã dessa pessoa, acreditando que dessa maneira poderia ser estabelecido uma visão ampla do assunto, logo de início recebo da pessoa uma mensagem que me deixa ainda mais assustado com a relação humana em resposta crítica “Não tinha necessidade do comentário” então começo a compreender que uma grande parcela da humanidade vem perdendo conhecimento, transbordando sentimentos e se restringindo ao medo próprio de diálogo, uma retração perceptível do indivíduo. Uma analogia básica, quando comparamos uma crítica técnica esperamos a resposta dentro da crítica técnica mesmo que negativa a minha visão seria recebida de bom grado, para um diálogo de crescimento para ambos os lados, sem uma faixa pessoal, notamos aqui que não só a pessoa impactada por uma simples crítica, observamos que o humano tem dificuldades em se relacionar e dividir padrões para uma resposta, sem carga ofensiva levando toda crítica para o lado pessoal.

O Feedback[2]mesmo que negativo gera crescimento, os fundamentos básicos de uma crítica têm o mesmo comparativo para o feedback, sendo assim mesmo que negativa de um lado pode ser apreciada de forma construtiva, que difunde o assunto direcionado a imagem da pessoa sobre o assunto relativo. As pessoas perdem a definição de uma diferença entre as críticas destrutivas e construtivas, as pessoas precisam saber de onde estão vindo as críticas e entender as intenções da pessoa, se essa pessoa tem um certo conhecimento se deve parar, respirar, é provavelmente a pessoa só quer que você melhore. Se alguém fizer uma crítica válida, pare de dar desculpas dizendo que a pessoa está completamente errada, principalmente se souber que há um fundo de verdade no que ela está dizendo.

Se ficar na defensiva ou der desculpas, a pessoa não conseguirá terminar de dizer exatamente o que queria e você não receberá a informação para que consiga melhorar. É natural ficarmos na defensiva e termos a sensação de que não fazemos nada errado, mas é importante escutarmos as pessoas antes de cortá-las para provar que somos perfeitos. Acreditava anteriormente que um dos grandes problemas da crítica é que, frequentemente, quem está na posição de fazê-la não sabe fazer direito, porém percebemos que os dados se mostram diferentes na atual situação mundial.

Um dos dados mais reveladores é o de que incríveis 66% da população admitiram que remoem o “feedback negativo” sem necessariamente mudar de comportamento ou conversar com quem deu o puxão de orelha. Mais: 14% acham que quem critica o faz por inveja ou raiva; 29% acham que os comentários são feitos com o intuito de lesar e não ajudar. Se torna visível que as pessoas estão revertendo o papel de quem mostra que se importa. Quando não se comportamos como uma máquina sem sentimentos. Nessas horas é fundamental se colocar na situação da pessoa reclamante e tentar entender exatamente o que houve para que ela chegasse ao ponto de fazer uma crítica pública, essa parte é difícil também, sendo comum ouvir que não deveria ter feito tal crítica, sem se lembrar que se você tem essa pessoa, ela faz parte da sua rede ou sua publicação é pública dando tal liberdade ao mesmo. Para finalizar vou deixar algumas dicas sobre as críticas que circulam, principalmente por pessoas autistas com altas habilidades; DEMONSTRE INTERESSE  

O primeiro passo é entender que a crítica é uma oportunidade de desenvolvimento pessoal e profissional. Obviamente você vai ouvir ou ler coisas que não te agradam, mas, muitas vezes, não percebe onde está o erro se ninguém o apontar. Procure ser receptivo, mesmo para coisas que, naquele momento, não sejam agradáveis. Pense, reflita e, posteriormente, tire suas conclusões a respeito.  PERGUNTE, NÃO INTERPRETE  Cuidado com as conclusões precipitadas. Na dúvida: pergunte, não suponha.

Muitos problemas de comunicação acontecem porque as pessoas tendem a tirar conclusões de impressões, e não de fatos.  SOLICITE EXEMPLOS Através de exemplos concretos você pode corrigir determinadas falhas ou aprimorar o que necessita. Portanto, peça exemplos. Caso a pessoa fale de modo genérico, reforce a necessidade de exemplos para que possa compreender a situação e fazer os ajustes necessários. Quanto mais detalhes, melhor.  NÃO SE JUSTIFIQUE A crítica gera naturalmente os chamados mecanismos de proteção ou defesa. Um deles é a justificativa.

Quando algo a incomoda, a pessoa reage buscando justificativas e, assim, não ouve ou recebe a crítica da forma correta. Por isso, evite procurar desculpas, culpados ou motivos para justificar a crítica. ASSUMA COMPROMISSOS Ao assumir compromissos você absorve a crítica como um processo positivo e de desenvolvimento. Estabeleça pontos de melhoria, conforme o feedback apontou, traçando metas, prazos, compromissos e foco em resultados práticos e concretos. Avalie-os periodicamente e solicite novos feedbacks para ver se está no caminho certo.

[1]Pixelização é qualquer técnica usada na edição de imagens ou vídeo, em que uma imagem é desfocada, exibindo parte ou todo ele em uma resolução significativamente menor. [2] Informação que o emissor obtém da reação do receptor à sua mensagem, e que serve para avaliar os resultados da transmissão.

 

Mundo Adaptado
Jacson Marçal
Jacson Marçal Seguir

Autista - Savant., Ativista e Voluntário. Humanas, Neurociência Médica  pela University de Duke 2020, Especialização em Certificado Internacionalmente em Neurofeedback & Biofeedback pela Conselho Nacional de Neurociência 2019, Especialista em ABA

Ler conteúdo completo
Indicados para você